Informações:

(43) 9922-6514

Piloto português mantém foco na primeira vitória e no título do Moto 1000 GP

Quarto colocado no Brasileiro de Motovelocidade, Miguel Praia aponta fatores positivos na pista que recebe o GP Petrobras

A duas etapas do término da temporada, o Moto 1000 GP mantém seis pilotos na disputa pelo título de sua principal categoria, a GP 1000. A sétima e antepenúltima etapa vai colocar em disputa o GP Petrobras no próximo dia 23 no Autódromo Internacional de Santa Cruz do Sul (RS). Quarto colocado na classificação do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, o piloto português Miguel Praia aposta em uma etapa de “empenho máximo”.

“Sei que para alcançar o título do Moto 1000 GP estamos dependentes de azares dos nossos concorrentes, mas vamos acreditar até o fim e dar tudo nessas duas últimas provas”, diz o piloto da Center Moto Racing Team. “Nosso primeiro objetivo é a vitória, que ainda não veio no Brasil, para a partir disso ver o que acontece com os nossos rivais”, continua o português, que compete na GP 1000 pilotando a Honda CBR1000 SP número 17.

A campanha de Praia no Moto 1000 GP em 2014 inclui quatro aparições no pódio. Ele foi segundo na quarta etapa, disputada em Cascavel (PR), ficou em terceiro na abertura da temporada, também em Santa Cruz do Sul, cruzou a linha de chegada em quarto na prova do mês passado em Curitiba (PR) e foi quinto na segunda corrida do ano, em São Paulo (SP). Além disso, foi oitavo em Brasília (DF) – ele não participou da corrida em Goiânia (GO).

Praia foi o quarto colocado na classificação final do Moto 1000 GP em 2013, quando deu início ao desenvolvimento da Honda pelo regulamento do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade. Ele terminou quatro corridas do ano passado no grupo dos cinco primeiros colocados – conquistou o segundo lugar na etapa de São Paulo, foi quarto e terceiro nas duas corridas em Cascavel e marcou a quinta posição em Santa Cruz do Sul.

O português enaltece o potencial da Honda CBR1000 SP. “É uma moto muito equilibrada e ágil, por ter um peso menor. A entrega de potência é suave, isso faz dela uma moto fácil de conduzir, e temos alguma margem para evoluir na eletrônica e na afinação do chassi”, observa. “Mas, mesmo com o kit HRC liberado em 2014, a potência fica abaixo da expectativa, estamos a quase 20 hp das melhores Kawasaki e BMW. Isso torna a nossa tarefa difícil”.

O traçado de 3.530 metros do Autódromo Internacional de Santa Cruz do Sul é visto por Miguel Praia como “uma boa pista para a Honda”. “A pista é muito técnica e com curvas muito interessantes em descida e subida, lá o piloto pode fazer a diferença, especialmente no setor 1”, acredita. “As mudanças de direção privilegiam a Honda, mas a reta é muito extensa e isso vai complicar as coisas um pouquinho por conta da nossa potência”.

BRASILEIRO DE MOTOVELOCIDADE – GP 1000
(Classificação do Moto 1000 GP após 6 de 8 corridas)
1º) Wesley Gutierrez (PR/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, 99
2º) Matthieu Lussiana (FRA/BMW), Petronas Alex Barros Racing, 94
3º) Danilo Lewis (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil-RC3, 72
4º) Miguel Praia (POR/Honda), Center Moto Racing Team, 68
5º) Luciano Ribodino (ARG/Kawasaki), HPN Racing Team, 63
6º) Diego Faustino (PR/Suzuki), Team Suzuki-PRT, 55
7º) Renato Andreghetto (SP/Suzuki), Team Suzuki PRT, 39
8º) Nico Ferreira (PR/Kawasaki), HPN Racing, 33
9º) Diego Pierluigi (ARG/Kawasaki), JC Racing Team, 30
10º) Danny Eslick (EUA/Kawasaki), JC Racing Team, 26
11º) Sergio Fasci (ARG/Yamaha), MGBikes Yamaha Racing, 20
12º) Victor Moura (PR/BMW), M2B Racing, 19
13º) Alan Douglas (PR/Suzuki), Team Suzuki-PRT, 18
13º) Lucas Barros (SP/BMW), Petronas Alex Barros Racing, 18
15º) Marcos Solorza (ARG/Kawasaki), Solorza Competition, 16
16º) Nasser Al Malki (QAT/Kawasaki), MR Lekhwiya Racing Team, 15
17º) Luís Fittipaldi (DF/Kawasaki), JC Racing Team, 14
18º) Marcos Salles (PR/Honda), Competizione Racing Team, 13
18º) Sebastiano Zerbo (ITA/Ducati), Squadra Ducati Ribeirão, 13
20º) Philippe Thiriet (MG/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil, 12
21º) Douglas Figueiredo (SP/BMW), BMW Motorrad Alex Barros Racing, 11
22º) Nick Iatauro (SP/Suzuki), Team Suzuki-PRT, 10
23º) Diego Pretel (SP/Ducati), Squadra Ducati Ribeirão, 8
24º) Danilo Andric (SP/BMW), M2B Racing, 7
25º) Daniel Lenzi (PR/BMW), Grinjets, 4
26º) Alecsandre De Grandi (SP/Honda), Team De Grandi, 3
27º) Alex Barros (SP/BMW), BMW Motorrad Alex Barros Racing, 2
28º) Ricieri Luvizotto (SP/MR Lekhwiya Racing Team), 1

As motocicletas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade utilizam a gasolina Petrobras Podium e o óleo lubrificante Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da BMW Motorrad e da Michelin, fornecedora de pneus a todas as equipes inscritas. A Auto Service Logística é a transportadora oficial do evento, que conta também com o apoio de Suzuki, Beta Ferramentas, Servitec, LeoVince, Shoei e Tutto Moto.